Mapeamento de iniciativas e coletivos da UNESP

O mapeamento das iniciativas foi desenvolvido com o objetivo de divulgar iniciativas que construíram espaços seguros para todos os grupos, abrigando suas diversidades e oferecendo apoio a todas as comunidades.

O mapa inclui iniciativas nos ramos de Gênero e Sexualidade, Empoderamento Feminino e Feminismo, Movimento Negro, Educação e Escola Pública, Acessibilidade e Educação Inclusiva, e projetos mistos. Nele, você pode navegar pelos campos das Unesps de todo o estado de São Paulo, conhecendo quais iniciativas são parte de cada universidade. 

Você pode saber um pouco o que cada projeto faz, além de ter os contatos caso queira se comunicar com eles, a seguir: 

Transcrição do mapa

O conteúdo do mapa foi transcrito em formato textual, separados por tipo de coletivo, nos tópicos abaixo. Leia caso não consiga visualizar o mapa ou deseje um acesso rápido ao conteúdo.

Gênero e Sexualidade

Coletiva Be

Somos um coletivo de diversidade sexual e de gênero composto por estudantes da UNESP Araraquara. Nosso objetivo é dar apoio, visibilidade, promover espaços acolhedores a toda comunidade LGBT+ e lutar pela conquista e exercício dos nossos direitos. Promovemos atividades como encontros, saraus, cine debate e muitos outros.

Coletivo Artístico Queer

O Coletivo Artístico Queer nasceu da junção de artistas LGBTs que sentiam a necessidade de falar e lutar pelo direitos da população LGBT brasileira, através da dança e do teatro, incluindo outras modalidades artísticas.

Coletivo Calisto - Sexualidades Livres

Coletivo que busca o enfrentamento de opressões, especialmente aquelas ligadas a comportamentos e identidades sexuais e corporais. Acreditamos na educação como forma de mudança cultural, e prezamos por uma abordagem libertadora, horizontal, laica, apartidária e solidária. Atuamos na área de educação não formal, através de cursos, palestras, oficinas, capacitações, práticas, intervenções, e junto a outros grupos e organizações, de empresas a projetos sociais.

Coletivo Interações

O coletivo promove reuniões semanais que debate temáticas envolvidas a população LGBTQI+. Somos os organizadores da Semana da Diversidade de Gênero e Sexual na UNESP do campi de Botucatu. Participamos anualmente da Recepção Unificada. E promovemos espaços que promovam debates, discussões, vivências, etc relacionados aos LGBTQI+. No ano de 2018 participamos da I Feira de Mulheres na Ciência. Em 2019 já realizamos um cultural com a temática “Saindo do Armário”.

Grupo de Estudos e Pesquisa em Sexualidade, Educação e Cultura - GEPESEC

É um grupo atuante, com alunos de Iniciação científica, Mestrado e Doutorado cuja sede é em um Laboratório de Ensino e Pesquisa em Sexualidade Humana- LASEX, sob a minha coordenação. Desenvolvemos várias atividades, tais como grupos de estudos, orientações e supervisões, desenvolvimento de projetos de extensão e de pesquisas.

Núcleo de Apoio e Discussão de Gênero e Sexualidade - Nugens

O Nugens se constituiu em 2017 a partir de problemáticas percebidas no âmbito da FEIS envolvendo questões de gênero e sexualidade entre discentes. O Nugens visa atuar no âmbito de ações formativas – bem como a viabilização de estudos e pesquisas – relativas às relações de gênero e sexualidade. Destacamos que em 2018, o NUGENS promoveu diversas ações articuladas com o Núcleo de Ensino da Prograd a partir do projeto “Mulheres na Ciência: Desconstruindo Estereótipos de Gênero”, com a Pró-Reitoria de Extensão, através do Projeto “Mulheres em tela: o desvelar de uma ciência demaquilada”, além de ações vinculadas à PROPe, por meio de bolsa PIBIC, com trabalho intitulado “Orientação de Gênero e Carreiras de Doutorado”.

Sexualidade, Educação e Juventude - SEJu

O grupo desenvolve estudos, pesquisas e intervenções sobre gênero e sexualidade. Iniciou-se em 2006 e conta prioritariamente com alunos e alunas do curso de Ciências Biológicas – modalidade Licenciatura. As intervenções ocorrem especialmente em escolas e instituições de saúde.

Empoderamento Feminino / Feminismo

Coletivo Feminista AYA

Coletivo Feminista Bertha Lutz

O coletivo realiza semanalmente encontros pra discussão de textos feministas, realiza eventos como palestras envolvendo diversas temáticas de sexualidade e de questões de gênero, procura atender as reclamações e demandas das alunas do campus com auxílio da direção e quando preciso da ouvidoria da Unesp (casos de denúncias de assédio). Alguns atos/ manifestações com repúdio à violência física contra mulher e outros tipos de abusos.

Coletivo Feminista Lobas

O Coletivo Feminista Lobas surgiu da união de alunas da Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá – UNESP, em prol da defesa e da luta pelos direitos das mulheres.

Projeto Cuidando da Saúde da Mulher

O grupo tem como base auxiliar as mulheres, principalmente de Botucatu, para que se empoderem e livrem-se das correntes abusivas que as prendem dentro da sociedade machista em que estamos inseridos atualmente através da divulgação de conhecimento e transmissão de informações por rodas de conversas, grupos de capacitação, palestras, entre diversos outros métodos.

Minas do IA

O grupo tenta se encontrar com certa peridiocidade para trocar referências de textos e outros saberes acerca do feminismo e empoderamento feminino. O grupo também acolhe estudantes que sofreram a,gum tipo de abuso dentro da universidade.

  • Campus: UNESP São Paulo
  • Faculdade: Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (IA)
  • E-mail: shadiyahvb@gmail.com
  • Fone: 11998253817

Movimento Negro / Racismo / Feminismo Negro

Coletivo AFROnta Botucatu

O Coletivo AFROnta é um coletivo negro composto por estudantes dos demais cursos da Unesp, campus Botucatu, e por moradores da cidade de Botucatu que tem por objetivo acolher estudantes negros que ingressão na universidade e promover discussões sobre os temas relacionados a negritude e opressão racial sistêmica dentro e fora do espaço acadêmico.

Coletivo Afrontar

O coletivo visa o fortalecimento, acolhimento e combate junto a comunidade negra indígena na faculdade, por meio de estudos e debates semanalmente organizados.

Coletivo Dandara

O Coletivo Dandara, aborda assuntos sobre o feminismo negro. Realizado por mulheres negras para mulheres negras, com intuito de conversarmos sobre os diversos preconceitos que rondam este grupo de minoria, conscientizarmos umas as outras e ir em luta juntas destruirmos juntas os tabus que nos cercam.

Coletivo Negro Dandara

O Coletivo Negro Dandara surge em 2015 como meio de resistência e afirmação do espaço acadêmico enquanto direito de negras e negros. Com o intuito de fomentar discussões acerca das questões étnico-raciais na FCL-Assis e questionar discursos científicos e lugares sociais destinados à população negra na sociedade brasileira, bem como produzir e visibilizar outras narrativas a respeito dessa população, ao longo de sua existência o Coletivo tem atuado dentro e fora da Universidade auxiliando atividades desenvolvidas por estudantes e professores, estabelecendo parcerias com ativistas do movimento negro e outros movimentos sociais a fim de ampliar o debate e combate ao racismo. O Coletivo realiza periodicamente encontros para estudo e discussões pelo Núcleo Negro da UNESP para Pesquisa e Extensão (NUPE) e anualmente as Semanas de Visibilidade e Consciência Negra.

Coletivo negro Kabengele Munanga

Desenvolvimento de ações contra o racismo dentro do espaço universitário e também da comunidade externa. As formas de atuação são: intervenções culturais, rodas de debates, grupos de estudos e etc.

Coletivo Negro Kimpa

Coletivo formado por estudantes negros na unesp desde 2015, com a finalidade de acolher estes discentes e juntos se formarem política e academicamente pautando discussões do movimento negro, além de vivências locais na universidade pública.

Núcleo Negro de Extensão Universitária - NUPE

O Núcleo Negro para Pesquisa e Extensão Universitária – NUPE, é vinculado ao Programa Unesp de Integração Social Comunitária – PISC, da Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura, congrega professores, pesquisadores e alunos da UNESP visando a desenvolver e a estimular atividades de extensão e de pesquisa sobre temas atinentes à questão do negro.

Núcleo Afro-Brasileiro e Indígena de Ilha Solteira - NABISA

Em 2016 na Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira (FEIS) surge o Núcleo Afro-Brasileiro e Indígena de Ilha Solteira (NABISA) com o objetivo de atuar como um dos grupos de trabalho do NUPE, por meio de ações extensionistas planejadas, visando ainda afirmar a cultura afro-brasileira e indígena como parte da cultura brasileira a partir de práticas educativas e intervenções artísticas em espaços de educação formal (escolas e universidades) e não formal (movimentos sociais, pontos de cultura) além de espaços informais, os quais possam promover a identidade das manifestações culturais.

NUPE/Observatório Negro

Desde 2014 o NUPE/Presidente Prudente vem se reorganizando, principalmente com o amplo diálogo com o Coletivo Mãos Negras, grupo de estudantes que se dedica a enfrentar as formas de preconceito e desigualdade racial, tanto no câmpus quanto na comunidade mais ampla. A partir de 2016, tivemos o desenvolvimento do projeto Observatório Negro que levantou informações sobre índices de violência que atingem a população jovem e negra no município de Presidente Prudente. Todas discussões e estudos são visibilizados nos Seminários da Consciência Negra que se realizam anualmente na unidade.

Educação / Inclusão / Escola Pública

Brincando e Dialogando

O projeto promove vivências lúdicas, diálogos e reflexões acerca dos jogos, brinquedos e brincadeiras de diferentes culturas, com destaque para as africanas, afro-brasileiras e indígenas, no sentido de possibilitar às crianças participantes, a valorização, o reconhecimento e o respeito à diversidade cultural.

Cursinho Ferradura

Trata-se de um projeto de extensão que constitui um programa de extensão que atende aos alunos oriundos do ensino médio das escolas públicas do sistema de ensino de Bauru e arredores. Sem cobrar taxa ou fazer nova seleção, o critério para o preenchimento das inscrições é feita pela condições sócio-econômicas, isso significa que quanto menor a renda per capita da família com a qual vive, mais chances de preencher uma das 160 vagas do campus. Desde 2014, também expandimos para Agudos com 80 vagas e, em 2018, fomos também para Pederneiras com outras 80 vagas. Os nossos alunos possuem altos índices de aprovação na nossa Unesp, bem como em outras públicas estaduais e federais, concursos públicos e Fatec’s.

Comunica Educação

O Comunica Educação é um projeto de extensão do curso de Relações Públicas da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP – Bauru), financiado pela PROEX (Pró-Reitoria de Extensão Universitária).

Projeto Te Vejo na Escola

O projeto de extensão Te Vejo na Escola trabalha em conjunto com a comunidade bauruense, estudantes universitários, pesquisadores e profissionais da área da comunicação, design e pedagogia para a produção de animações educacionais voltadas para crianças de 6 a 9 anos de escolas públicas.

Acessibilidade / Deficiência / Educação Inclusiva

Artinclusiva

O projeto atende aos pais e pessoas com deficiência. Temos cerca de 7 pessoas em cada grupo. Por meio das diferentes linguagens procuramos atender as diferentes necessidades de cada grupo tendo em vista a sua inclusão social.

Biblioteca Falada

Produção e divulgação de mídia sonora acessível e audiodescrição, com atendimento a entidades de pessoas com deficiência visual. Difusão do conhecimento, por meio de oficinas, cursos, consultoria etc., sobre comunicação e acessibilidade, tecnologias assistivas, acessibilidade e educação etc.

Dançando no Escuro

Projeto de extensão com metodologia própria, iniciado em 2016. Aulas de atividades rítmicas e expressivas inclusivas.

Ensino de ciências e Inclusão escolar - ENCINE

Considerando o contexto de investigações sobre inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de Física, o grupo ENCINE nasceu em 2010, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência da UNESP de Bauru e ao Departamento de Física e Química da Faculdade de Engenharia da UNESP de Ilha solteira.

Grupo de Estudos e Pesquisa em Deficiência e Inclusão - GEPDI

Assegurar a efetiva igualdade de oportunidades é fundamental para que a sociedade seja de fato justa e democrática. A promoção de debates e ações críticas, como forma de superar os estigmas que envolvem as pessoas com deficiência se torna meta central. Amparado nestas considerações este grupo de estudos e pesquisas tem como finalidade estabelecer um espaço formativo de difusão e de produção de conhecimentos relacionados aos temas: inclusão social e/ou educacional, deficiência, políticas públicas, acessibilidade, formação inicial e/ou continuada, direito a informação e/ou a comunicação, com ênfase nas áreas de Psicologia e Educação.

Jornal Fatos da Rua

O Fatos da Rua é um jornal desenvolvido por moradoras e moradores de rua, e estudantes de jornalismo de Bauru.

Laboratório de Atividade Motora Adaptada, Psicologia Aplicada e Pedagogia do Esporte - LAMAPPE

Laboratório de pesquisas na área de Atividade Motora Adaptada, responsável pelo desenvolvimento de 2 projetos de extensão na área. Coordenado pelo prof. Rubens Venditti Júnior.

Mídia Acessível e Tradução Audiovisual - MATAV

O grupo agrega pesquisadores e estudantes das áreas de Comunicação, Letras e Tradução que possuem em comum o interesse na investigação da linguagem audiovisual. O foco das discussões teóricas encontra-se no acessibilidade sensorial e direito irrestritos que o cidadão possui aos conteúdos veiculados pelos meios audiovisuais (cinema, televisão, internet). As atividades do grupo são divididas em reuniões quinzenais, produção de legendas (intra e interlinguística), cursos de extensão, seminários e palestras.

Núcleo de Estudo e Observação em Economia Criativa - NeoCriativa

O NeoCriativa, Núcleo de Estudos e Observações em Economia Criativa, é um grupo de pesquisa vinculado à Unesp que estuda a economia criativa de Bauru desde 2011. O professor responsável pelo projeto é Juarez Tadeu de Paula Xavier, que vê Bauru como uma cidade criativa. O objetivo é ter um grupo de ação e atuação no município que estude, principalmente, as formas de economia criativa subalternas locais, ou seja, aquelas que não estão inseridas no grande mercado, mas que geram renda e trabalho.

Projeto Bio.Tátil

O projeto Bio.Tátil tem como objetivo promover uma educação inclusiva no ensino de Ciências através da Didática Multissensorial, utilizando como recursos didáticos maquetes táteis, desenhos em alto relevo, experiências gustativas, olfato e paródias, proporcionando uma aprendizagem mais eficaz dos conteúdos biológicos para alunos com ou sem deficiência da rede pública de ensino.

Misto

Coletiva-Mente

O Programa Coletiva-Mente voltado para bem estar e saúde mental da comunidade discente.

Coletivo ELO

Criado por alunxs do ICT, o Coletivo ELO busca a discussão, o pensamento crítico e a redução da desigualdade no meio universitário.

Grupo de Estudos em Democracia e Gestão Social - GEDGS

O GEDGS atua com projetos de pesquisa e de extensão junto às comunidades indígenas, quilombolas e outras tradicionais (como ribeirinhos amazônicos e geraizeiros) no sentido de promover reflexões e estudos sobre sua identidade e sobre o pertencimento em comunidades. Atuamos na construção socio-histórica (em nível acadêmico) para a promoção da organização documental histórica e visibilidade das comunidades, para que elas possam ser agentes de transformação de sua própria realidade.

Incubadora de Cooperativas Populares da Unesp/Bauru - INCOP

O Projeto de Extensão INCOP – Incubadora de Cooperativas Populares da Unesp/Bauru é uma iniciativa do campus desde 2007/2008 e que vem desenvolvendo projetos de incubação junto a grupos populares que desejam iniciar um processo de formalização de um empreendimento solidário nos moldes de uma cooperativa. Sendo assim, temos acompanhado grupos minorizados, tais como: coletivo de catadores de materiais recicláveis, agricultores assentados, mulheres agricultoras assentadas, e recentemente pretendemos desenvolver uma aproximação com comunidades indígenas da região de Bauru, além de coletivos jovens do segmento Hip-Hop da cidade.

Morar Nova Canaã

O grupo morar Nova Canaã articula interesses de pesquisa em arquitetura e urbanismo paisagismo e engenharia sobre o aspecto da inclusão da moradia através da criação de oficinas para produção de tijolos em Adobe. neste estágio da pesquisa, as professoras responsáveis pelas atividades do grupo dialogam com a comunidade para definição da melhor forma de atingir a comunidade no sentido da instrução e instrumentalização do saber fazer.os alunos participam ativamente na discussão de projeto e fundamentação teórica conceitual da estrutura e utilização do tijolo de Adobe.

Projeto MOVAE

Projeto que visa o acolhimento, bem estar e vínculo humanizado entre os alunos ingressantes no Instituto de Biociências e a graduação.

Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária - NERA

No NERA (Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária) são desenvolvidas pesquisas em nível de pós – graduação: mestrado, doutorado e pós-doutorado; em nível de graduação: iniciação científica e bacharelado por mais de uma dezena de pesquisadores.A discussão central realizada pelos pesquisadores do grupo gira em torno das disputas socioespaciais e socioterritoriais desempenhadas pelos Movimentos Sociais.

Leia mais sobre o papel dos coletivos dentro das universidades na nossa matéria Coletivos